publicidade

pesquise aqui sua simpatia

----------------------------------------------
Custom Search
--------------------------------------------

publicidade

----------------------------------------- ----------------------------------------------- -----------------------------------------------------------------------------------------

pactos SATANICOS PARA FICA RICO E OBTER O QUE DESEJA PASSO A PASSO

pactos SATANICOS  PARA FICA RICO E OBTER O QUE DESEJA PASSO A  PASSO (NÂO NOS RESPONSABILIZAMOS PELO OS RESULTADOS (SOMOS APENAS ESTUDIOSOS  CASO ALGO SAIA DO CONTROLE NÂO TEMOS COMO FAZER NADA ) ENVIE UM E_MAIL A NOS CONTANDO SUA EXPERIENCIA CASO REALIZE OS RITUAIS ABAIXO .
 
agora falemos sobre os pactos tem muita gente desinformada e ignorante que eu considero como se fozem o gado existe dois tipos de pactos
pacto involuntuario e quando a pessoa com simples palavras sem ter noçao do que esta falando ja esta fazendo pacto com uma entidade maligna mais o pacto nao e para o beneficio dela e para que a entidade destrua a vida da pessoa que inconciente mente o invoco e com essa simples invocaçao selo um pacto involuntuario.
agora quando a pessoa quer fazer o pacto ali ja e diferente entao o verdadeiro pacto e correto de fazer e dificil leva meses de preparaçao ate anos se for possivel nao pode ter erros nao pode ter erros quando faz a invocaçao o pacto e grande e ainda tem que fazer um cerimonial e dificil e complicado ate a pronunciaçao em latim tem que ser perfeita e porque latim muitos perguntam e que o latim e uma lingua pura e poderosa e a lingua dos demonios uma lingua que se transformou em oculta que ate hoje em dia a igreja catolica usa mais muitos se perguntam para que eles usam a linguagem dos demonios agora voces tem que descubrir nada custa investigar entao para fazer o pacto com lucifer e dificil.
mais tambem tem outras formas de fazer pactos sao com outros demonios mais se voce quer poder maximo tem que se pactuar com um demonio poderosisimo e os rituias sa de oferenda de sangue entroca do poder infernal e bens materiais os rituais de sangue se selam votos e pactos perpetuos como que sao pactos de sangue a demonios poderosos e de alta hierarquia a maioria sao de sacrificios humanos por exemplo sacrificando uma criança de um mes nascida e onde voce pode achar tais rituais nos livros dos grimoires e outros livros de alta magia negra.
mais se voce quer sepactuar mais facil pode se pactuar e um templo luciferiano,ordem secreta ou irmandade satanica mais eles vao te cobrar pelo pacto e muito caro a maioria que faz pacto em essos tres lugares sao gente que tem empresa e quer que a empresa delas evolua e cresca e tambem para cantores a maioria de metal para ter sucesso e fama.
agora que expliquei voces sabem que nao e facil fazer um pacto com lucifer nem com os demonios deles.

Evocadores do diabo e desejosos de realizar pactos com ele devem antes de todas as coisas pertencer a uma religião que admite um diabo criativo que também é o rival de Deus.

Nós temos de acreditar em quem invoca um poder. Tal fé de empresa dada na religião do diabo, temos de proceder como segue entre uma correspondência séria e corajosa com esta deidade satânica:

Axioma Mágico:

Dentro do círculo sagrado de sua ação, crie toda palavra que tu deseja afirmar.

Consequência direta:
Aquele que afirma o diabo cria ou faz o diabo.

Evocações Infernais para Pactos Satânicos:
Trace o pentagrama próximo a um local onde alguém tenha sido sepultado há menos de 30 dias. Com os mesmos ingredientes vistos nesta figura respeitando a ordem dos objetos.

Recite as invocações:
" Por Adonai Eloim, Adonai Jehova, Adonai Sabaoth, Metraton Em Agla Adonai Mathon, o Pythonic formulam, o Mistério da Salamandra, a Assembléia de Silfos, a Gruta de Gnomos, o demônios do céu de Gad, Almousin, Gibor, Jehosua, Evam, Zariatbatmik: Venha, Venha, Venha! "

" Hemen-Etan! Hemen-Etan! Hemen-Etan! El * Ati * Titeip * Aozia * Hyn * Teu * Minosel * Achadon * vay * vaa * Olho * Aaa * Eie * Exe * A El El El A Hy! Hau! Hau! Hau! Hau! Va! Va! Va! Va! Chavajoth. Aie Saraye, aie Saraye, aie Saraye! Por Eloym, Archima, Rabur, Bathas em cima de Abrac, que flui abaixo, descobrindo de sobre Aheor Aberer Chavajoth Chavajoth! Chavajoth! Eu comando ti por a Chave de Salomão e o grande nome Semhamphoras."

Figuras a serem traçadas no lado esquerdo do pentagrama interno:

Assinaturas:
Assinaturas que devem constar no contrato satânico para provar a veracidade do pacto:

Como fazer pacto com lucifer da maneira mais correta

Existem vários rituais, afim de fazer um Pacto com Lúcifer. Este ritual que segue foi criado pela “Brotherhood of Satan”, uma irmandade satânica dos Estados-Unidos.

PREPARAÇÃO PARA O RITUAL:

O ritual deve ser realizado numa noite de Lua Cheia.

- Planeie o pacto 1 semana antes do dia de o mesmo ser realizado.
- Não consuma drogas e bebidas alcóolicas 3 dias antes do ritual.
- Não pratique sexo ou masturbação 3 dias antes do ritual.
- Escolha uma veste totalmente negra para o ritual e lave-a 1 dia antes do ritual.
- No dia do ritual limpe o lugar onde o mesmo será realizado.
- Faça algum ritual de purificação de corpo e alma da sua escolha, pode ser até um banho de sal grosso … (para retirar toda a negatividade).

MATERIAIS:

Todos os materiais indicados deverão ser virgens, ou seja, nunca antes usados.

- 3 velas (branca, negra, vermelha);
- 1 folha de pergaminho;
- 1 caneta “pena” para escrever,
- 1 agulha virgem;
- 2 incensos de sândalo;
- 1 imagem pentagrama invertido;
- 1 copo ou taça cheia com vinho tinto;
- 1 caneta normal cor preta ;
- 1 sino;
- 1 prato raso que suporte fogo;

PREPARAÇÃO DE UM PEQUENO ALTAR:

Tem que ser um lugar á sua altura, e não no chão. Pode ser uma mesa.
No altar coloque a imagem do pentagrama no centro “em pé” ou coloque na parede em direcção ao altar, ou pode colocá-lo debaixo do prato.
De seguida coloque as 3 velas. A branca do lado esquerdo, a negra ao centro, e a vermelha no lado direito do altar. As velas deverão formar um triângulo ao centro da mesa. Os incensos deverão ser colocados um de cada lado, ou seja um no lado esquerdo logo acima da vela, e o outro do lado direito. O prato deve ser colocado no centro da mesa, no meio das velas e incensos. O copo ou taça deve ser colocado, no lado direito da mesa, ao lado do prato. Não coloque nada dentro desse prato, porque ele será usado para colocar o pergaminho em chamas.

Você deve estudar as invocações antes do ritual ser feito, para as decorar, para não errar no momento do ritual! Tudo deve ser feito correctamente. O lugar do ritual deve ser um lugar tranquilo em que não haja barulho nenhum, para você não ser perturbado/a durante o ritual. A concentração na hora do ritual é fundamental, e nada pode atrapalhar.

PASSOS PARA O RITUAL:

1º- Invocação a Lúcifer;
2º- A renuncia e proclamação;
3º- A Oração “Pai Nosso” invertida (blasfémia);
4º- Pacto;
5º- Invocação da Queima do Pacto;
6º- Encerramento do Ritual

Agora prepare-se para o ritual, tenha a certeza de que é o que você realmente deseja fazer, depois de feito o pacto não poderá voltar atrás. Esteja preparado e consciente do que está a fazer.

Coloque as suas vestes negras e concentre-se no objectivo.

- coloque o vinho tinto no cálice;
- Acenda as velas;
- Acenda os incensos;
- Pegue no sino

TOQUE O SINO 9 VEZES E DIGA A SEGUINTE INVOCAÇÃO:

Invocação:

“Renich Tasa Uberaca Biasa Icar Lucifer (repita 3 vezes seguidas)
Ao leste Eu chamo, e no ar da iluminação.
Eu (nome completo),
Invoco o teu nome e o teu poder.
Oh, Imperador do Inferno.
Mestre de todos os Espíritos Rebeldes.
Lúcifer, eu te invoco,
Lúcifer, esteja aqui presente.
Venha a mim, Senhor Lúcifer, manifeste-se,
Dentro deste corpo, dentro deste Templo que eu preparei.
Venha a mim, Senhor Lúcifer, manifeste-se.
Estou aqui para pedir a sua ajuda.
Venha a mim, Senhor Lúcifer, manifeste-se.
Abra os Portões do Inferno para que eu possa entrar e poder tornar-me como você.
Abra o Portão Senhor Lúcifer para que eu possa entrar.
Venha a mim, Senhor Lúcifer, manifeste-se.
Desejo realizar um Pacto.
Venha a mim, Senhor Lúcifer, manifeste-se.
Lúcifer eu invoco o Teu nome.
Renich Tasa Uberaca Biasa Içar Lúcifer (repita 3 vezes).
Invoco a presença dos mestres Satan, Leviathan, Belial, Astaroth, Azazel, Baal-Beryth, Beelzebu, Abbadon, Asmodeus, Verrine e Flereous para testemunhar este pacto.
Nas vocare tu Lúcifer,
Parcepts es hic rictus.
Salve Lúcifer, Senhor do Mundo.”

Tome 1 gole do cálice.
Concentre-se 30 segundos e avance para o próximo passo.

RENUNCIA E PROCLAMAÇÃO

(Repita-a 3 vezes)

“Eu (nome completo) na presença do Senhor Lúcifer,
Renuncio á Santa Trindade,
Renuncio a Deus,
Renuncio a Jesus Cristo,
Nego Jesus Cristo o enganador.
Renuncio o Espírito Santo.
Renuncio os Anjos e Arcanjos,
Nego a Deus o criador da terra e do céu.
Renuncio a Sagrada Igreja Católica e Cristã.
Renuncio a tudo que é sagrado e tudo que é bom.
Renuncio a todos os Deuses.
Proclamo que Lúcifer é Senhor deste Mundo.
Proclamo que Lúcifer é o único Deus da Terra.
Proclamo que Lúcifer é meu Mestre.”

Tome 1 gole do cálice.
Concentre-se 30 segundos e avance para o próximo passo.

A BLASFEMIA

(repita 3 vezes o Pai-Nosso invertido)

… este é o pai-nosso invertido na versão americana.

“Nema! Livee morf su revilled tub
Noishaytpmet ootni ton suh deel
Suh tshaiga sapsert that yeth
Vigrawf eu za sesapsert rua suh vigrawf
Derb ilaid rua yed sith suh vig
Neveh ni si za thre ni
Nud eeb liw eyth
Muck mod-ngik eyth
Main eyth eeb dwohlah
Neveh ni tra chioo
Rertharf rua!”

Tome 1 gole do cálice.
Concentre-se 30 segundos e avance para o próximo passo.

O PACTO

Pegue na caneta preta e no pergaminho.

Você vai escrever o pacto no pergaminho, depois de escrever o pacto, pegue na agulha virgem e fure o seu dedo polegar da sua mão esquerda, com a caneta “pena”, pegue desse sangue e assine no pergaminho logo abaixo do contrato. Logo após assinar o contrato queime o pergaminho na vela central do seu altar. E siga o aviso que está após o texto do contrato.

TEXTO do contrato:

“Eu (nome completo)
No nome de Lúcifer e pelo poder de Satan, Astaroth, Beelzebu, Asmodeus, Abbadon, Azazel, Belial, Leviathan, Baal-Beryth, Verrine, Flereous e todos os demónios do inferno,
Faço este pacto contigo Senhor Lúcifer,
Entregando meu corpo,
Entregando minha mente,
Entregando minha alma,
Para o Senhor Lúcifer, Meu eterno Mestre.
Em troca lhe peço (coloque aqui o seu pedido)
Aceito suas leis e suas palavras, e tenho a total consciência que serei castigado com uma terrível morte se eu quebrar este pacto.
Se o senhor me der as coisas que eu desejo em sete anos, o senhor terá total domínio sobre a minha alma.
Prometo lealdade, nunca quebrarei esta aliança.
A minha carne é a sua carne.
Meu sangue é seu sangue.
Assim seja feito.

Assine o seu nome completo com o seu sangue.

Agora você vai queimar este pergaminho no fogo da vela que está no centro do altar (a vela negra). Mas antes de o queimar, você tem de fazer do jeito que manda o Aviso.

INVOCAÇÃO DA QUEIMA DOPACTO

-repita 3 vezes antes de queimar o pergaminho.
- repita 3 vezes enquanto o pergaminho estiver a queimar.
- repita 3 vezes depois do pergaminho acabar de queimar.

“Eu (nome completo)
Entrego meu corpo para Lúcifer,
Entrego minha mente para Lúcifer,
Entrego minha alma para Lúcifer,
A minha carne é sua carne.
Meu sangue é seu sangue.

(tome o resto do cálice e diga:
Lúcifer aceite esta aliança, meu sacrifício”

PROCESSO DE ENCERRAMENTO DO RITUAL:

Você faz a oração a Lúcifer e no fim toca o sino 9 vezes para encerrar.

Oração a Lúcifer:

“Senhor Lúcifer,
Mestre do Mundo,
Senhor do Ar,
Mestre da Terra,
Lúcifer,
Agradeço pela sua gloriosa presença,
Esteja sempre comigo,
Obrigado por ter aceite este pacto,
Agradeço a presença dos mestres Satan, Astaroth, Beelzebu, Asmodeus, Abbadon, Azazel, Belial, Leviathan, Baal-Beryth, Verrine, Flereous,
Aqui encerro este ritual, feliz e satisfeito, Salve Lúcifer, Amem.”

Toque o sino 9 vezes.
 Poucos assuntos causam tanto fascínio e horror no meio ocultista quanto o Pacto com o Diabo. Mesmo na visão mais simplista esta o contrato infernal é uma das maneiras, mais fáceis, e também mais perigosas de um mago conseguir o que quiser, ter tudo o que desejar  realizar qualquer coisa antes considerada impossível.
Teoricamente, o pacto pode tornar o pobre coitado em milionário de sucesso e a menina feia numa irrestivelmente sexy e poderosa mulher. Ele pode ser usado como ferramenta de vingança, ou de conquista. Pode oferecer dinheiro, sucesso, fama, amor, sexo ou qualquer outra coisa que um ser humano ache desejável. Tudo ao alcance de quem fechar o contrato e estiver disposto a pagar de volta o valor exigido.
Todos conhecem histórias de reis, governantes, artistas e empresários que a fim de alcançarem seus objetivos tornaram-se dispostos a pagar o mais alto dos preços. O que poucos sabem é que o pacto satânico é uma prática muito mais comum do que se supõe, levada a capo por uma infinidade de pessoas, que munidas de suas próprias crenças e métodos resolvem seus problemas pessoais desta inusitada forma.
Neste Manual, você encontrará informações valiosas sobre os pactos satânicos, não como literatura, como é comum entre os poetas, nem como metáfora no jargão do Satanismo Moderno, mas como uma pratica ocultista real, com seus próprios perigos e benefícios.  Encontrará todas as sugestões e advertências necessárias. Um guia completa para quem se aventurar em tratar a vida e a morte como moedas de troca.
Opiniões divergentes sobre os pactos
Entre os ocultistas sérios não é dificil encontrar praticantes favoráveis a prática do pacto com espíritos diabólicos, que enxerga no ritual um ato de coragem de de domínio sobre ospoderes da escuridão. Com eles faz coro a voz de Pierre Delancre, ao dizer que: "O aspirante aos segredos das sombras; a manipulação das armas mágicas; aquele que se recusa a tentar contra os demônios, não merece nem o ensinamento de seu mestre, nem os segredos, nem os desvendamentos, muito menos a própria existência. O exercício do controle sobre as serpentes é condição sine qua non para a prática integra da bruxaria, seja ela branca ou negra."
E justamente por ser um ato de dominação,não é uma pratica para fracos.  por este motivo, Emmanuel Swedenborg, e outros estudiosos alertam que "Quando os demônios insinuam-se aos iniciados, começam por ceder as mais distintas vontades de seu pretensioso manipulador: com a única intenção de atraí-lo - fingem obediência, submissão e subordinação. Ele acredita, inocentemente que está no controle da situação. Com os ponteiros do relógio acelerados, o homem passa a ter a noção de que ele é o elo mais fraco dessa corrente; o lado mais frágil desta corda intitulada de pacto; que há de arrebentar-se e o levará pelo pescoço ao fundo de um poço da qual jamais ninguém encontrou o caminho de volta." -
Frente a opiniões tão diferentes, de medo versus coragem e de imprudência versus cautela, não é dificil a confusão mental. Mas tente imaginar a cena por si mesmo, não  é difícil:
Você e o Diabo frente a frente, um contrato a sua frente e um futuro brilhante e cheio de dinheiro e sucesso, também a sua frente. Isso para não esquecer as mulheres; quem mais faria um contrato vendendo a alma sem o direito de ter uma Playboy Mansion para desfrutar ? Sempre em frente. Como diria o frontman do Iron Maiden, Bruce Dickinson em Caught Somewhere In Time, faixa de abertura do album Somewhere In Time de 1986: "You have got just your soul to lose."
Navegando pela internet ou checando velhos livros de páginas amareladas pelo tempo, a quantidade de bobagens ditas e escritas, e o pior de tudo: SEGUIDAS sobre supostos entendidos em magia negra e seus pactos diabólicos; é para se dar razão aos céticos quando nos olham com um risinho cínico e até mesmo piedoso. A distorção dos fatos, fez dos pactos diabólicos, umas das atividades menos críveis da história da magia.
Pois vejamos algumas das asneiras encontradas em livros considerados sérios e também da rede mundial de computadores, mais conhecida como Internet:
Eliphas Levi, em Dogma e Ritual da Alta Magia, desaconselha, despreza e até ridiculariza práticas de magia negra incluindo o Pacto com Diabo. Apesar disso tudo, ele inclui em sua mais famosa e comentada obra alguns comentários pertinentes e descrições sobre este tipo de Pacto:
“Os evocadores do diabo devem, antes de tudo, ser da religião que admite um diabo criador e rival de Deus. Eis como procederá um firme crente na religião do diabo, para corresponder-se com seu pseudodeus (falso-deus).” Levi deixa claro que qualquer "diabo" é uma criação do operado, entidade composta de fluidos astrais provenientes das próprias emanações energéticas sutis do magista que as provoca deliberadamente.
Aquele que afirma o diabo, cria ou faz o diabo. Ainda segundo Levi, para ser bem sucedido nas evocações infernais, é preciso ter:
1º - Uma teimosia invencível
2º - Uma consciência ao mesmo tempo endurecida no crime e muito acessível ao remorso e ao medo.
3º - Uma ignorância parente ou natural.
4º - Uma fé cega em tudo o que não é crível.
5º - Uma idéia completamente falsa de Deus.
Eliphas Levi destaca a necessidade de renegar a Deus posto que o Diabo é o principal adversário do Criador. A fim de efetivar esse ato de rejeição, o autor enumera complexos procedimentos tais como:
1) PROFANAR as cerimônias do culto ou religião de origem e desrespeitar seus símbolos sagrados.
2) JEJEUM: durante quinze dias fazer somente uma refeição, sem sal e depois do crepúsculo: "esta refeição será de pão preto e sangue temperados com molho, também sem sal, de favas pretas, ervas leitosas e narcóticas.
3) EMBEBEDAR-SE: A cada cinco dias, depois do crepúsculo, além da refeição, é preciso embebedar-se com vinho preparado com uma INFUSÃO feita com 5 cabeças de papoulas negras e cinco onças de linhaça triturada. Deixa-se descansar por cinco horas. A mistura deve, então, ser coada em uma toalha que tenha sido feita ( ou que pertença a uma ) por uma mulher, de preferência, prostituta.
4) DIAS DA EVOCAÇÃO: Os dias propícios para a evocação do demônio são: na noite de segunda para terça-feira OU na virada entre a sexta-feira e o sábado.
5) LOCAL DA EVOCAÇÃO: "É preciso procurar um lugar solitário e assombrado, tal como um cemitério freqüentado por maus espíritos, uma ruína temida, no campo, os fundos de um convento abandonado, o lugar onde foi cometido um assassinato, um altar druídico ou um antigo templo pagão."
(LEVI, 1995 - p 346)
6) VESTIMENTA: É preciso prover-se de uma roupa preta, sem costuras e sem manchas; um gorro ou capuz em tom de chumbo ornamentado com os signos da Lua, Vênus e Saturno. O mago negro deve também providenciar, um vasto arsenal, como se segue:
OBJETOS E ACESSÓRIOS
2 velas de sebo humano colocadas em candelabros de madeira negra cortados em forma de crescente lunar. (Implica acesso a uma vítima humana, um morto recente.)
2 coroas de Verbena.
1 espada mágica, de cabo preto.
1 ou A forquilha mágica.
1 fogareiro tripé (três pés)
Um vaso de cobre contendo o sangue da vítima (de quem se extraiu o sebo).
PERFUMES: Os perfumes são preparados para queima no fogareiro que fica no altar do círculo mágico. Na invocação do Demo, o operador deve levar uma caixa contendo incensos de cânfora, aloés, ambar-pardo e estorague, misturados e homogeneizados com sangue de bode, sangue de poupa e sangue de morcego.
4 Cravos tirados do caixão de um supliciado.
1 CABEÇA DE UM GATO PRETO alimentado com carne humana durante cinco dias.
1 MORCEGO morto por afogamento em sangue.
Os chifres de um bode que tenha sido seviciado pelo operador.
O crânio de um parricida.
A pele da vítima imolada, que forneceu sangue e sebo.
Assim paramentado e portando os objetos listados acima e estando no local, data e hora apropriados o operador, sozinho ou acompanhado de dois assistentes, deverá traçar o círculo mágico com a ponta da espada deixando uma ruptura ou "ponto de saída". A pele da vítima, cortada em faixas, devera ser disposta ao longo do círculo, formando um segundo círculo que será fixado com os quatro cravos do caixão de um supliciado.
DENTRO DO CÍRCULO, deverá ser traçado, também com a espada, um triângulo equilátero. Este triângulo devela ser pigmentado com o sangue da vítima. O fogareiro deve ser colocado no vértice do triângulo que estará voltado para o Norte. Na BASE DO TRIÂNGULO, serão traçados três círculos, que demarcam o lugar onde deve ficar o operador (no centro) e seus assistentes. Com o próprio sangue, atrás do seu círculo, o operador deverá traçar, o símbolo de Constantino - que é um grande "P" com o traço vertical cortado por um "X" (ver figura acima).
Nos pontos marcados pelos quatro cravos (pregos), fora do círculo, são colocados: a cabeça do gato, o crânio humano, os chifres do bode e o morcego. Tais objetos devem ser aspergidos com o sangue da vítima. Depois, acende-se o fogo usando ramos de amieiro e cipreste. As duas velas são colocadas à direita e esquerda do operador, no centro das coroas de Verbena. Feito TUDO ISSO! o operador pronunciará as fórmulas de evocação, que são várias. Por exemplo, a Evocação do Grande Grimório Dragão Vermelho:
Per Adonai Elohim, Adonai Jeova, Adonai Sabaoth, Metraton On Agla Adonai Mathom, vérbum pythónicum, mistérium salamándrae, convéntus sylphórum, antra gnomórum, doemónia Coeli Gad, Almousin, Gibor, Jehosua, Evam, Zariatnatmik - Veni, veni, veni.
A fórmula indicada por Eliphas Levi, embora pareça algo inventado pelo pesquisador, de fato, está registrada em inúmeros livros de magia negra, grimórios, manuais repletos de fórmulas espetaculares e de difícil execução. Nos dias atuais estas dificuldades são ainda maiores no que diz respeito à obtenção da maior parte dos "ingredientes".
Fica claro que um mago negro é alguém que tem de ser pervertido o suficiente para se permitir a prática das mais exóticas e inumanas aberrações e seu primeiro passo é tornar-se um assassino, posto que precisa de uma vítima humana para obter boa parte dos materiais que o pacto exige.
Supondo que este mago negro suje suas mãos cometendo o homicídio, ainda assim terá um exaustivo trabalho para conseguir elementos como gato, morcego, chifres de bode seviciado e o crânio de um parricida, coisa complicada porque não há parricidas mortos e conhecidos em pencas por aí.
A execução de uma "fórmula" como essa é tão complexa e arriscada que antes convida a desistir e esquecer uma empreitada que, se não fosse tão macabra, seria certamente a página apoteótica de uma crônica da "Magia Ridícula" e não é de admirar que o Diabo apareça para quem se preste a produção deste "espetáculo"; afinal, alguém que faz tais coisas, se não é louco, é quase; e a loucura pode engendrar todo tipo de alucinação inclusive a ilusão perfeita de uma visão de Satanás.
Rompendo o Pacto
Segunda visão apresentada no capítulo anterior, Fazer um Pacto com o Diabo é uma operação bastante complexa e implica longa preparação física e mental. O caminho contrário, romper o Pacto, é bem mais simples; não exige substâncias exóticas, atos abjetos ou dispendiosos objetos. O indispensável para anular o Pacto é simplesmente
1. a FÉ. Fé em Deus, fé em uma inteligência justa diretora do Universo.;
2. um arrependimento sincero em relação atos praticados sob a inspiração do mal.
As Lendas de São Cipriano e do arcediago Teófilo ilustram bem este fato. Cipriano, erudito e inteligente, ao perceber que o Sinal da Cruz impedia a ação de seus poderes demoníacos, deduziu de imediato que atrás do sinal havia uma doutrina-referência poderosa capaz de produzir uma auto-confiança inabalável, verdadeiro segredo de proteção contra feitiços de todo o tipo.
Esta referência, que fortalece o campo energético protetor, no caso da vítima de Cipriano, era a vida do Chrestos Ocidental Jesus. Justina, a moça-alvo dos encantamentos do Mago de Antioquia, tornou-se invulnerável porque assumiu, pela fé, sua natural invulnerabilidade, em uma atitude que "fechou o seu corpo", ou seja, fechou o seu campo mental-espiritual para toda e qualquer influência externa.
No caso do Bispo Teófilo, processo semelhante ocorreu: arrependimento sincero e fé inabalável no poder da Virgem Maria romperam o pacto. Diz a Lenda que certa tarde, em meio às orações na capela, onde havia várias pessoas, o pergaminho, documento-registro do Pacto, emanou de uma parede e, esvoaçando no aposento, foi parar nas mãos de Teófilo.
Santo Alphonse Maria de Ligouri (1696-1787) ensina como romper acordos com o Maligno ainda que assinados com sangue. O procedimento é simples:
1) Renunciar, abjurar, renegar qualquer pacto firmado com o Diabo, explicitamente, em declaração verbal íntima ou com testemunhas de confiança, de preferência um sacerdote.
2) Destruir todos os escritos, fórmulas, talismãs, objetos encantados etc. relacionados à magia negra.
3) Queimar o Pacto, se este foi registrado em documento escrito.
4) Restituir bens ou renunciar a todos os bens ou privilégios obtidos por intermédio do Pacto e compensar quaisquer pessoas prejudicadas por causa do Pacto em todos os casos em que isso for possível.
No folclore árabe existe a história de um mercador que tendo prosperado infinitamente graças a um Pacto com Satanás, ao findar o prazo de desfrute do acordo, depois de muito pensar, decidiu tentar um último golpe para se livrar da dívida e preservar sua alma. No dia determinado, quando apareceu o Maligno a fim de efetuar sua cobrança, foi recebido com desafio irresistível: uma última aposta, um jogo de xadrez.
Se o mercador conseguisse superar o Remo no tabuleiro, estaria livre; se, ao contrário, perdesse a partida, suas penas seriam redobradas. Exímio enxadrista, tanto quanto seu oponente, o mercador conduziu a partida até se colocar em total desvantagem, na iminência de receber o xeque-mate.
Mais uma jogada e o demônio encerraria o jogo. Porém, ao observar a mesa, ao invés de fazer o movimento final da vitória, a criatura infernal, arreganhando seus dentes pontiagudos, tomada de intenso furor, levantou-se abruptamente e proferindo mil maldições desapareceu numa explosão deixando no ar um forte cheiro de enxofre.
Tranquilo, delicadamente o mercador concluiu o jogo e movendo uma peça
em xeque-mate, viu que, como previra, formava-se no tabuleiro a imagem de uma cruz. O Diabo e seus Pactos são extremamente vulneráveis diante de qualquer símbolo do bem apresentado com verdadeira fé.
Considerando o leitor digno de nossos respeitos, daremos uma pausa para as gargalhadas e voltamos agora com um pouco mais de asneiras levadas a sério por pseudo satanistas.
A Lenda de São Cipriano de Antioquia
São Cipriano, cognominado O Feiticeiro, para distigui-lo do também famoso Cipriano, Bispo de Cartago, nasceu em Antioquia, região entre a Síria e a Abissínia (atual Etiópia); a época era a segunda metade do século III d.C. (anos 200). Sua família, abastada, incentivou e patrocinou uma formação completa nas ciências da magia.
Aos 30 anos, Cipriano se estabeleceu na Babilônia para aprofundar seus estudos em Astrologia. Ali, tornou-se discípulo de uma bruxa famosa, a Bruxa de Évora, cartomante, quiromante (leitura de mãos) e oniromante (leitura dos sonhos). Para obter poderes sobrenaturais, Cipriano iniciou-se também na Goéthia, evocação de demônios e por fim, firmou um Pacto com o Diabo tornando-se um feiticeiro com capacidades fenomenais.
Em sua biblioteca, além dos livros de estudo, havia apontamentos próprios que ele fazia em toda parte, inclusive nas paredes e além disso, um tesouro exclusivo de Cipriano: sua mestra morrera e, trancado em uma arca, ele possuía todo o conhecimento da Bruxa de Évora contido em cadernos e pergaminhos, memórias e anotações de uma vida inteira, uma herança para o mais destacado de seus alunos. Cipriano se sentia bem com suas crenças e desfrutava todos os prazeres que o dinheiro e o prestígio podiam proporcionar. Tudo isso mudou diante do "Caso Justina".
Justina era uma jovem cristã rica e bela. Embora educada no paganismo, na idolatria, tornou-se cristã por conta própria e converteu os pais, Edeso e Cledônia. Muito devota, consagrou-se totalmente ao Cristo Jesus, determinou-se a manter a virgindade e recusava casar. Vivia em retiro mas mesmo assim um homem apaixonou-se por ela. Seu nome era Aglaide.
Tendo sido rejeitado como noivo, Aglaide resolveu apelar para a feitiçaria e procurou Cipriano a fim de obter a simpatia da donzela por meio das forças ocultas. O bruxo, não só desprezava o cristianismo como também se deleitava em ridicularizar os símbolos sagrados daquela religião bem como seus sacerdotes tendo, inclusive, se engajado em um movimento de perseguição aos fiéis.
Diante do problema de Aglaide, aceitou prontamente fazer o "trabalho" e , de fato, empregou todos os seus conhecimentos e auxiliares diabólicos para enfraquecer e dominar a vontade determinada de Justina. Porém nada surtia efeito; os recursos iam se esgotando e Cipriano incomodava-se porque começava a desconfiar que não era suficientemente poderoso, ou não tanto quanto se achava ser.
Atormentou a jovem com todo o tipo de armadilhas da sedução mental; falhando a sutileza, atacou enviando demônios que produziam terríveis visões. Mas Justina não se deixou intimidar sempre protegida por uma infinita fé na proteção de Jesus. Contra todas as investidas do Mago, usava somente um signo, fazia somente um gesto, o Sinal da Cruz. Furioso com aquele fracasso, Cipriano pediu contas ao Demônio e questionou:
- Pérfido, já vejo a tua fraqueza, quando não podes vencer a uma delicada donzela, tu, que tanto de jactas do teu poder de obrar prodigiosas maravilhas! Diz-me logo de onde procede esta mudança, e com que armas se defende aquela virgem para deixar inúteis os teus esforços?
Sem saída o demônio confessou que nada podia fazer contra a moça por conta do Sinal da Cruz que ela usava com uma fé profunda e inabalável. Justina não tinha medo e rechaçava qualquer ataque em nome de Jesus e este, era o Senhor de todas as coisas, dos Céus, da Terra e dos Infernos. Diante Dele, aos demônios, nada restava a fazer senão pôr-se em fuga.
- Pois se isso assim é - replicou Cipriano - eu sou bem louco em não me dar ao serviço de um senhor mais poderoso do que tu. E assim, se o sinal da cruz, em que morreu o Deus dos cristãos, te faz fugir, não quero mais servir-me dos teus prestígios, antes renuncio inteiramente a todos os teus sortilégios, esperando na bondade do Deus de Justina que haja de me admitir por seu servo.
Mas o demônio não desiste facilmente. Vendo que estava a perder tão valioso comparsa, tentou ainda apoderar-se do corpo de feiticeiro. Mas Cipriano estava completamente decidido e, fazendo o Sinal da Cruz, pela primeira vez, invocou a proteção do "deus de Justina". A Graça do Senhor desceu sobre ele e o maligno teve seus poderes anulados. Naquele momento, Cipriano rompeu o Pacto com o Diabo e dali em diante começou uma trajetória de duras provas que confirmaram sua fé em Jesus Cristo.
Mais tarde, já como cristão converso e penitente, foi perseguido, preso e julgado pelo imperador Diocleciano sendo morto, depois de longos martírios, em 26 de setembro de 304, em sua cidade natal, Antioquia. Pela sua história de pecados e maravilhas, pela sua conversão e pelo suplício que padeceu em nome de Cristo, Cipriano virou o São Cipriano que se conhece hoje.
Textos remanescentes do seu período satânico foram recuperados e reunidos nos famosos Livros de São Cipriano, cuja venda é anunciada em revistas femininas e exotéricas além de boa parte do conteúdo estar disponível em páginas da internet. São simpatias e bruxedos para obter sorte no amor, sucesso nos negócios e coisas do gênero.
Outros textos relacionados ao pacto de Urbain Grandier e de astros do Rock também podem ser encontrados as pencas por aí, mas preferimos levar agora ao leitor, a parte SÉRIA da coisa, posto que você já deve ter rolado no tapetinho do lavabo de tanto rir não é mesmo ?
O Mito do Doutor Faustus
A história do doutor Johann Faustus é sem dúvida a mais difundida e menos compreendida entre elas, pois vejamos as descrições mais vulgares:
Faust (alemão para "punho") ou Faustus (latim para "auspiciosa" ou "sortudo") é o protagonista de uma clássica LENDA alemã; em que o protagonista faz um pacto com o diabo. A narrativa é a base de muitas obras literárias, artísticas, cinematográfica, e obras musicais, como os de Christopher Marlowe, Goethe, Thomas Mann, Hector Berlioz, Franz Liszt, Oscar Wilde, Charles Gounod e até mesmo o Radiohead.
O nome "Faust" veio para ficar por obra de um suposto charlatão alquimista (alguns dizem "astrólogo e necromante"), cujo orgulho e vaidade conduziu ao seu castigo eterno. Do mesmo modo, o adjetivo "Faustiano" denota atos ou considerações envolvendo a arrogância humana que nos conduz finalmente ao castigo.
A origem do nome e do personagem Fausto permanece incerta, embora seja amplamente admitida a hipótese de ser ela baseada na figura do Dr.Johann Georg Faust (1480-1540), um mago e alquimista de duvidosa reputação; provavelmente de Knittlingen, Württemberg, que obteve um grau de Divindade na Universidade de Heidelberg, em 1509.
Segundo alguns relatos, a infâmia Fáustica se tornaria lendária, enquanto ele esteve na prisão onde - em troca de vinho - ele "se ofereceu para mostrar a um capelão como remover os pêlos de seu rosto sem uma lâmina; o capelão lhe deu o vinho e em troca Fausto cumpriu o que prometeu: com uso de arsênico, removeu não só os cabelos, mas a carne também, sem exibir nenhum ferimento".
No folclore polonês, há uma história com um tal de Pan Twardowski num papel semelhante ao de Fausto, e parece ter sido originada ao mesmo tempo que as descrições alemãs vieram à tona. Não está claro se as duas histórias têm uma origem comum ou influenciaram-se mutuamente. A figura de Pan Twardowski é supostamente baseado num alemão do século XVI; imigrante da Cracóvia, então a capital polonesa, possivelmente John Dee ou Edward Kelley. Segundo Melanchthon, o histórico Johann Faust tinha também estudado na Cracóvia.
Vejamos uma outra versão aproximada da história do Doutor Faustus; a de Christopher Marlowe:
A Trágica História do Doutor Faustus é uma peça de teatro criada por Christopher Marlowe, baseado na história de Johann ( ou Johannes ) Faustus, em que um homem vende sua alma ao Diabo em troca de poder e conhecimento. Em um nível mais profundo, esta obra mostra a decadência de uma pessoa que escolhe os ganhos materiais ( por comandar os demônios para atender seus desejos ) em detrimento de valores espirituais, e assim, perde a sua alma. Doutor Faustus foi publicado pela primeira vez em 1604, onze anos após a morte de Marlowe e, pelo menos, doze anos após a primeira encenação da peça.
Como um prólogo, o verso nos diz sobre que tipo de caráter é representado pelo Doutor Faustus. Não se trata de guerra ou de um singelo amor cortês, mas sim sobre Faustus, que nasceu de família humilde e pais sem condições de investir recurso nos talentos dos filhos. Isto pode ser visto como uma partida da tradição medieval; Faustus detém um estatuto menor do que reis e ou santos, mas sua história é ainda merecedora de crédito e menções honrosas ( ou horrorosas se preferir assim ).
É nos oferecido uma introdução a sua sabedoria e suas habilidades, mais notavelmente na divindade que se sobressai tão tremendamente quando a ele é concedido um título de doutorado. Durante esta abertura, encontramos também a nossa primeira pista para a origem da futura e previsível derrocada do Doutor Faustus. Seu caso guarda semelhanças para com a história de Icarus. Este detalhe, esta analogia nos dá mais uma pista sobre o destino do Doutor, bem como nos chama  a atenção para a idéia de arrogância ( orgulho excessivo ), que está representada na lenda sobre Icarus.
Thomas Mann e a Astúcia de Jean Jacques Rousseau
O romance de Mann é uma re-modelação da lenda, no contexto da primeira metade do século XX e os princípios e destinos intelectuais, morais e espirituais da Alemanha e da Europa nesse período para lá de turbulento. Isto é consagrado e representado na vida do herói, um fictício compositor alemão chamado Adrian Leverkühn, conforme informado pelo seu amigo de infância Serenus Zeitblom.
Leverkühn em seu início, tanto criativo como musical ou em suas explorações metafísicas, onde o compositor mostra todo brilhantismo, conduz sua carreira, sua vida e seu drama pessoal num caminho em que ele está cada vez mais preocupado com o apocalipse e com o julgamento de sua alma. O narrador, Zeitblom (um professor católico e humanista, que demitiu seu professorado em Kaisersaschern por não concordar com a política nazista para a população judaica), escreve na atual época de 1943-1946, na Alemanha, testemunhando o terrível destino do seu país.
Leverkühn, nascido em 1885, deixa escritos ao amigo, que mostram que ele tinha formalizado um contrato diabólico, um pacto, com uma manifestação espiritual de Mephistopheles ( o Diabo em pessoa ), em troca de vinte e quatro anos de grande êxito como compositor. Isso surge de um episódio quando ainda em sua juventude, ele contrai uma terrível doença venérea após visitar um bordel (coincidindo, em 1906, com o início da produção da ópera de Richard Strauss, Salomé).
Sua brilhante carreira se desenvolve ao longo dos anos que antecederam a 1930, quando  ele está apresentando a sua obra prima para um grupo de amigos, uma vasta cantata intitulada "A Lamentação do Doutor Faustus", então ele desata a fazer uma confissão aparentemente insana, de sua história demoníaca e seu pacto com o Diabo. Desde então, uma doença cerebral acaba por deixá-lo sem um único traço de suas faculdades mentais. O colapso dura até sua morte dez anos depois, em 1940, completamente inutilizado, sob os cuidados de sua mãe já idosa.
O período de sua completa decadência mental, portanto, corresponde ao período histórico da ascensão do nazismo, embora os comentários de Zeitblom sobre as circunstâncias políticas, abordem apenas o contexto do período de escrita, 1943-1947. (Além disso, o autor menciona explicitamente certos acontecimentos da II Guerra Mundial, por exemplo, a invasão aliada, de Junho de 1944, mas nunca Auschwitz.)
Não obstante, o romance fecha com uma oração do amigo Zeitblom, "Deus seja misericordioso para com vossa pobre alma, oh meu amigo, minha Pátria! ' (Gott sei euerer armen Seele gnädig, mein Freund, mein Vaterland.) Daí Leverkühn e sua música não são apenas paralelos, mas destinam efetivamente como uma encarnação de, a alma da Alemanha, devido à Zeitblom (ou Mann ?) O seu amor por Seu amigo e sua pátria são a mesma coisa.
Filosofia à parte, é hora de chutar o balde e esclarecer os fatos. O mito fáustico não teve outra razão que não tenha sido o falso moralismo, imperativo da igreja que via na Idade Média ( como vê hoje ) sua perda de forças, e as ofertas satânicas frente a um povo miserável e necessitado, que parecia encontrar nas promessas de Lúcifer, uma esperança menos vã do que aquela encontrada no cristianismo.
O que precisamos nos ater em todas as versões em que o mito é explorado, é a noção de que em nenhuma delas, as paixões da carne sobrepujam as do espírito. Tudo é fruto do trabalho, do esforço em que a única intervenção diabólica, é aquela em que Mephistopheles oferece ao proponente do pacto, saúde, sabedoria e força para produzir suas obras. Atente a esta passagem:
“Na ocasião em que o longo dialogo entre Leverkhun e o Diabo se desenrola, ele faz questão de afirmar e esclarecer ao compositor que orações, cânticos, pentagramas e rituais são absolutamente dispensáveis; o interesse do Diabo no compositor, tem recurso justamente nas habilidades dele, no valor a música, a sua arte, considerada profana aos olhos de Deus.”
Ao compositor também lhe é negado o direito de amar, naquilo que o Diabo considera com toda razão, a maior das servidões morais. Amar a si próprio já é o bastante para que os outros o amem ainda mais.
Uma filosofia dos pactos também pode ser encontrada na obra de Jean Jacques Rousseau em O Contrato Social:
Nesta obra, Rousseau expõe a sua noção de Contrato Social, que difere muito das de Hobbes e Locke: para Rousseau, o homem é naturalmente bom, sendo a sociabilização a culpada pela "degeneração" do mesmo. O Contrato Social para Rousseau é um acordo entre indivíduos para se criar uma Sociedade, e só então um Estado, isto é, o Contrato é um Pacto de associação, não de submissão.
No Capítulo VI: Do Pacto social, Rousseau explicita como a cessão da liberdade natural na verdade é a adesão de uma liberdade mais forte, a convencional. Obtida através do contrato social. Este, não se configura como um ato real e formal, tendo valor simbólico: suas clausulas são determinadas pela natureza do ato, dispensando enunciado explicito mas sendo mantidas e reconhecidas de maneira tácita.
Sendo a liberdade de cada indivíduo o instrumento primordial de sua conservação, como poderia ele empenhá-los sem prejudicar nem negligenciar os cuidados que a si mesmo deve? Encontrando uma forma de associação que defenda e proteja a pessoa e os bens de cada associado com toda a força comum, e pela qual, cada um unindo-se a todos só obedece a si mesmo, permanecendo assim tão livre quanto antes.
Através da alienação total de cada associado de seus direitos à comunidade toda, cada um dando-se completamente, a condição é igual para todos e, portanto, ninguém é capaz de torna-la onerosa a ninguém. Enfim, cada um dando-se a todos, não se dá a ninguém, em lugar da pessoa particular de cada contratante, passa a existir um corpo moral e coletivo, composto de tantas vozes cônscias da condição de membro existirem no corpo.
Uma análise atenta sobre as obras supra mencionadas servem exclusivamente para desfazer da mente do crédulo a errônea versão que ele têm dos pactos diabólicos, mas iremos agora a parte prática da coisa, mas antes revelamos um segredo:
Thomas Mann pesquisou incansavelmente a vida e obra de inúmeras personagens, das quais corriam boatos e verdades em toda a Alemanha sobre como haviam conseguido prosperar na vida da noite para o dia, como homens abjetos desfilavam com mulheres estonteantes e abusavam do luxo e licenciosidade sem preocupar com o amanhã.
O Adrian em que Thomas Mann se inspirou foi um “subitamente” rico comerciante de artigos de luxo na região de Hamburgo, norte do país:
Ele efetuou seu pacto com a ajuda do Heptameron de Pietro D'Abano seguindo as datas da Lemuria Romana. Lemuria ou Lemuralia era o nome de um festival da Roma Antiga celebrado nos dias 9, 11 e 13 de Maio.
O seu objetivo era apaziguar os espíritos dos mortos que se acreditava rondarem pelas ruas e casas, mas também invocá-los para obter pactos sinistros durante a Idade Média. Quanto isso também aconselhamos uma olhada atenta no livro Codex Magia de Texe Marrs.
Datas e Horários Sabáticos mais Propícios
Aqui temos um problema: Bodin e Swedenborg afirmam não haver datas específicas nem horas ou locais, já Lévi discorda e oferece métodos mais seguros para o não iniciado. Fica claro que para pactos individuais, o ideal é seguir o tradicional calendário sabático:
Este calendário Sabático oferece as datas em que os pactos devem ser acordados quando estes são feitos de forma individual, em hipótese alguma um acordo deve ser realizado fora de alguma destas datas.
Estas datas são aquelas consideradas sagradas pela maioria dos magistas e iniciados. São os períodos onde sua comunicação com os magistas/iniciados não contém nenhuma interferência seja ela externa ou interna, carnal ou espiritual.
Segue o calendário Sabático:
Imbolc 1 de Fevereiro
Também chamado de Candelária, ou Lupercus (Strega), é a festa do retorno da luz, que
marca o fim da temporada de inverno e dá as boas-vindas da Primavera. Na Irlanda,
Imbolc começou como um dia especial para homenagear a grande deusa mãe Brigid.
Sobre esta noite, ela é considerada ideal para noviços e noviças, para aqueles que ainda não exercem pleno poder sobre as entidades que se apresentam. Uma noite em que os espíritos dos mortos caminham sem maiores dificuldades entre os vivos.
Na Irlanda e em alguns países no norte da Europa, esses espíritos são vistos numa encruzilhada qualquer, onde estejam sendo feitas evocações para interrogar ou compactuar com os espíritos considerados mais amenos.
Eostre 22 de Março
Também chamada Ostara, ou da Primavera ( Vernal ) com o nome da Deusa anglo-saxã da Aurora e a origem da palavra "Páscoa".
Este equinócio ocorre quando a noite e o dia, são de igual duração e celebram a Festa do Planejamento e Renascimento. No País de Gales, Ostara era conhecida como Lady Day e retrata o regresso oficial da Deusa da sua longa hibernação invernal.
Muitos dos mitos associados a Ostara revelam a preocupação das viagens efetuadas pelo Deus nos misteriosos submundos do espírito; sua luta e seu eventual regresso a terra dos vivos.
Beltaine 1 de Maio
Um Sabá de cunho notadamente sexual. Ideal para pactos de amor e de desejos impuros. O Sol, cujo poder de luz e calor aumenta cada vez mais, penetra a terra, impregnando-a com as sementes que frutificarão (plantio).
Inicia-se a época de maior plenitude na Natureza, período em que s mares energéticas de crescimento e poder deverão ser utilizadas para tudo aquilo que queremos construir e engrandecer. O lado obscuro obviamente favorece intempéries que desejamos rogar ao alheio.
Litha 22 de Junho
O Solstício de verão que apresenta os dias mais longos do ano. Litha representa o rei sol em toda a sua glória e poder. Não é a data preferida pelos magos mais experientes em evocações e compactuações. A data é uma das preferidas pelos paganistas wiccans.
Para eles representa a materialização de todas as esperanças. Todos os projetos e pretensões que haviam sido lançados desde a época do plantio começam a se tornar realidade.
Lammas 1 Agosto
Também conhecida como Lughnasadh, Lugnasad (Celta), Festa de Lugh, Cornucópia (Strega) ou Thingtide (Teutonic). Ela representa o início do ciclo de colheita para os pagãos.
Com a chegada do outono começa a primeira colheita, registrando o sacrifício diviPara conhecimento das pessoas estranhas a magia negra, digo que não há horas mais propícias, umas que outras, como não há dias nem lugares, para comunicar com os espíritos.
O Deus doa o seu poder, assumindo o papel de mantenedor e protetor da vida. Representa o trigo maduro a espera do corte, que é ceifado e transformado em pão. O trigo e a uva representam muito bem esse momento místico, pois são transformados em pão e vinho, corpo e sangue do Deus sacrificado. Comendo o pão e bebendo o vinho estamos ingerindo a essência divina do Deus de Chifres, que deu sua vida para nos prover de alimentos.
Como tempo de colheita percebemos que essa época se traduz em realizações \u2013 materiais e espirituais. Já que estamos na maré vazante é um ótimo momento para fazermos com que determinadas coisas que não queremos se afastem, sendo arrastadas pelo turbilhão natural de declínio.
Mabon 21 de Setembro
Também conhecida como Winter Finding, Mabon é o equinócio de Outono. Depois desta noite de equilíbrio, as trevas irão, mais uma vez superar a luz. Marca o fim das colheitas que irão garantir a sobrevivência durante os meses de inverno. As noites e o dia se igualam novamente. É o tempo final de escoamento das forças energéticas, mas num nível perigoso.
Utilizar tais energias de declínio requer muita prática; porém, o iniciado versado nas artes negras tira grandes proveitos dessa data sabática. A Natureza começa a perder sua força visivelmente: as árvores perdem suas folhas, os campos estão novamente sem vida e o clima torna-se progressivamente mais frio. Tal recolhimento deverá ser observado em nosso interior, e devemos nos preparar para encararmos um novo ciclo de declínio e morte.
Samhain, 31 de Outubro
Popularmente conhecido como Halloween. Outros nomes para esta data
Sabática incluem o Shadowfest ( Festa das Sombras ( Strega ), Martinmas ou
Old Hallowmas ( Rito Escocês / Celta ).
Início do tempo de trevas, uma lacuna, época de incertezas sobre o retorno da vida,
de longas noites e dias curtos. Indica o fim de um ciclo, a morte deve ser refletida,
pois é uma promessa de renascimento. Em termos energéticos a existência parece
submergir num buraco negro sem fundo, no qual as tênues cortinas entre os mundos
proporcionam uma ligação nítida com os ancestrais e com a própria energia de declínio.
O Samhain era o maior temor/inspirador das celebrações sazonais do paganismo. Temido pelos antigos povos porque era associado com a vinda do Inverno, o frio e a tenebrosa escuridão, principalmente no norte da Europa; os dias muito curtos, com um mínimo de sol e a escassez de alimentos. Não inesperadamente, o Samhain era também o dia para se recordar e contactar as almas dos que já nos deixaram.
O Samhain ocorria em 1 º de novembro e seu apogeu foi, naturalmente, 31 de Outubro quando a festa realmente começou. (Outubro de 31 foi então considerada Réveillon).
Os pagãos celtas acreditavam que os dois mundos, o mundo físico e o mundo espiritual, mantinham relações mais estreitas nesta data e que espíritos e aparições dos mortos podem ser identificadas mais facilmente no plano físico.
Com a vinda do Cristianismo, que encontrou-se na impossibilidade de remover todas as antigas crenças da população pagã, o Samhain foi transformado em Dia de Todos os Santos.
O Samhain é um momento mágico, um momento de iluminação pelas fogueiras ardentes nos rituais mágicos. A invocação de espíritos era e ainda é sem duvida alguma, a mais propícia nesta data sabática.
Yule 22 de Dezembro
Também conhecido como Yuletide que vem de uma palavra nórdica que significa "roda". O Solstício de Inverno é o mais curto dia do ano e, obviamente, a mais longa das noites. Considerada por muitos satanistas como a noite mais propícia para evocações de espíritos trevosos; até mais apropriada do que o próprio samhain.
A noite mais longa do ano, um prenúncio do crescimento e revitalização \u2013 onde a vida sempre retorna como a semente que rompe a sua casca na escuridão da terra, fazendo surgir a raiz e um pequeno talo. Devemos estar preparados para romper a inatividade, já que a semente representa um estado de latência e imobilidade pelo qual todos nos passamos ao final de um ciclo na vida.
A grande dificuldade é romper com a falsa segurança da semente, que tem todas as possibilidades em si mesma de se tornar uma grande árvore. Aqui precisamos fazer a difícil escolha entre permanecermos seguros, protegidos pela cascas, ou enfrentar as dificuldades do lado de fora.
Entretanto, na segurança da semente não existe vida. A vida só é possível quando saímos e nos expomos às intempéries; uma inteligente metáfora para os desejosos de pactos satânicos.
O Funcionamento do Pacto Satânico
Em primeiro lugar observemos o testemunho de Swedenborg e Bodin. Para conhecimento das pessoas estranhas a magia negra, digo que não há horas mais propícias, umas que outras, como não há dias nem lugares, para comunicar com os Espíritos.
Não há fórmulas nem palavras sacramentais ou cabalísticas para evocá-los; que não há necessidade alguma de preparo ou iniciação; que é nulo o emprego de quaisquer sinais ou objetos materiais para atraí-los ou repeli-los, bastando para tanto o pensamento; e, finalmente, que os iniciados recebem deles as comunicações e contratos sem sair do estado normal, tão simples e naturalmente como se tais comunicações fossem ditadas por uma pessoa vivente.
Sempre astutos e pérfidos, seduzem o homem com ciladas antes de algemá-lo na opressão e no servilismo. Aqui lhe aguçam a curiosidade com fenômenos e partidas pueris; além, despertam-lhe a admiração e subjugam-no pelo encanto do maravilhoso.
Se o sobrenatural aparece e os desmascara, então, acalmam-se, extinguem quaisquer apreensões, solicitam confiança e provocam familiaridade. Só o charlatanismo poderia emprestar aos pactos satânicos formas excêntricas, enxertando-lhes ridículos acessórios.
Não podereis obrigar nunca a presença de um demônio vosso igual ou superior em moralidade, por vos faltar autoridade sobre ele; mas, do vosso inferior, e sendo para seu beneficio, conseguí-lo-eis, visto como outros demônios vos secundam.
A mais essencial de todas as disposições para evocar é o recolhimento, quando desejarmos tratar com demônios mais fortes. Com a fé e a mente esclarecida e livre do medo, mais aptos nos tornamos para evocar Espíritos. Elevando nossa alma por alguns instantes de concentração no momento de evocá-los, identificamo-nos com os Espíritos mais fortes, predispondo a sua vinda.
Nenhum objeto, medalha ou talismã tem a propriedade de atrair ou repelir Espíritos, pois a matéria ação alguma exerce sobre eles. Nunca um bom Espírito aconselha tais absurdos. A virtude dos talismãs só pode existir na imaginação de pessoas simplórias.
Não há fórmulas sacramentais para evocar Espíritos. Quem quer que pretendesse estabelecer uma fórmula, poderia ser tachado de usar de charlatanismo, visto que para os Espíritos puros a fórmula nada vale. A evocação deve, porém, ser feita sempre em nome de Deus.
Os Espíritos que prefixam entrevistas em lugares lúgubres, e a horas indevidas, são os que se divertem a custa de quem os ouve. É sempre inútil e muitas vezes perigoso ceder a tais sugestões; inútil, porque nada se ganha além de uma mistificação, e perigoso, não pelo mal que possam fazer os Espíritos, mas pela influência que tais fatos podem exercer sobre cérebros fracos.
Não há dias nem horas mais especialmente propícios às evocações: isso, como tudo que é material, é completamente indiferente aos Espíritos, além de ser supersticiosa a crença em tais influências. Os momentos mais favoráveis são aqueles em que o evocador pode abstrair-se melhor das suas preocupações habituais, calmo de corpo e de espírito.

A crítica malévola cuida-se de representar as comunicações diabólicas revestidas de práticas ridículas e supersticiosas da velha necromancia.
Nas palavras de Lévi:
A serpente velha da lenda é nada mais que o Agente Universal, o eterno fogo de vida terrestre, a alma da terra, e o centro vivo de inferno. A Luz Astral é o receptáculo de formas, e estes quando evocou através de razão é produzido harmoniosamente, mas quando evocou por loucura que eles se aparecem desordenado e monstruoso: assim originou os pesadelos de Santo Antonio e o fantasmas do Sábado sagrado.
Faça as evocações de goécia e demoniomania então produza um resultado prático? Sim, certamente. Um que não possa ser competido, um, mais terrível que já poderia ser recontado em lendas! Quando qualquer um invoca o diabo ou espíritos para celebrar pactos com cerimônias intencionais, o diabo vem e é visto.
Como fazer um Pacto Satânico
Evocadores do diabo e desejosos de realizar pactos com ele devem antes de todas as coisas pertencer a uma religião que admite um diabo criativo que também é o rival de Deus.

Nós temos de acreditar em quem invoca um poder. Tal fé de empresa dada na religião do diabo, temos de proceder como segue entre uma correspondência séria e corajosa com esta deidade satânica:

Axioma Mágico:
Dentro do círculo sagrado de sua ação, crie toda palavra que tu deseja afirmar.

Consequência direta:
Aquele que afirma o diabo cria ou faz o diabo.

Evocações Infernais para Pactos Satânicos:
Trace o pentagrama próximo a um local onde alguém tenha sido sepultado há menos de 30 dias. Com os mesmos ingredientes vistos nesta figura respeitando a ordem dos objetos.

Recite as invocações:
" Por Adonai Eloim, Adonai Jehova, Adonai Sabaoth, Metraton Em Agla Adonai Mathon, o Pythonic formulam, o Mistério da Salamandra, a Assembléia de Silfos, a Gruta de Gnomos, o demônios do céu de Gad, Almousin, Gibor, Jehosua, Evam, Zariatbatmik: Venha, Venha, Venha! "
" Hemen-Etan! Hemen-Etan! Hemen-Etan! El * Ati * Titeip * Aozia * Hyn * Teu * Minosel * Achadon * vay * vaa * Olho * Aaa * Eie * Exe * A El El El A Hy! Hau! Hau! Hau! Hau! Va! Va! Va! Va! Chavajoth. Aie Saraye, aie Saraye, aie Saraye! Por Eloym, Archima, Rabur, Bathas em cima de Abrac, que flui abaixo, descobrindo de sobre Aheor Aberer Chavajoth Chavajoth! Chavajoth! Eu comando ti por a Chave de Salomão e o grande nome Semhamphoras."
Figuras a serem traçadas no lado esquerdo do pentagrama interno:

Assinaturas:
Assinaturas que devem constar no contrato satânico para provar a veracidade do pacto:

As Entidades por trás dos Pactos
Os pactos são feitos com demônios que são impuros condenados, presentemente no inferno, restos de almas entregues à terra que se transformam em ervas, em plantas, em minerais e líquidos, sofrendo inconscientemente as metamorfoses constantes da matéria (...) Os justos terão sua vingança, contudo, em corpos purificados e resplandecentes, e os condenados em corpos maculados e desfigurados pelo pecado. Com estes estabelecemos nossos pactos.
Mas pouco se conhece da ralé demoníaca, desses vis Espíritos tão poderosos que compõem as legiões de vampiros, sapos, escorpiões, corvos, hidras, salamandras e outros animais sem-nome; conhecem-se, porem, os nomes de muitos dos príncipes que comandam tais legiões, entre os quais Belfegor, o demônio da luxúria; Abadon ou Apolion, do homicídio; Belzebu, dos desejos impuros, ou o senhor das moscas que engendram a corrupção; Mamon, da avareza; Moloc, Belial, Baalgad, Astarot e muitos outros, sem falar do seu chefe supremo, o sombrio arcanjo que no céu se chamava Lúcifer e no inferno se chama Satanás.
Esses mesmos demônios rebeldes a Deus quanto ao bem, são de uma docilidade exemplar quanto ao cumprimento de seus acordos com os iniciados. Nenhum se esquiva ou afrouxa durante a duração de seus acordos.
E como são infatigáveis e poderosos, a vida do homem com estes demônios, não pode deixar de ser uma luta sem tréguas, do berço ao túmulo. Efetivamente esses demônios são os mesmos que, depois de terem introduzido o mal no mundo, chegaram a cobri-lo com as espessas trevas do erro e do vício; os mesmos que, por longos séculos, se fazem adorar como deuses por meio de pactos satânicos e reinam em absoluto sobre os povos da antigüidade; os mesmos, enfim, que ainda hoje exercem tirânica influência nas religiões idólatras, fomentando a desordem e o escândalo até no seio das sociedades judaico-cristãs.
Para compreender todos os recursos de que dispõem ao serviço dos iniciados, basta notar que nada perderam das prodigiosas faculdades que são o apanágio da natureza angélica.
O futuro e sobretudo a ordem natural têm mistérios que Deus se reservou e que eles não podem penetrar; mas a sua inteligência é bem superior à nossa, porque percebem de um jacto os efeitos nas causas e vice-versa.
Esta percepção permite-lhes predizer acontecimentos futuros que escapam às
nossas conjeturas. A distância e variedade dos lugares desaparecem ante a sua
agilidade.
Mais prontos que o raio, mais rápidos que o pensamento, acham-se quase instantaneamente sobre diversos pontos do globo e podem descrever, a distância, os acontecimentos na mesma hora em que ocorrem.
A Identificação dos Espíritos envolvidos no Pacto
A categoria do Espírito com o qual compactuamos se reconhece por sua linguagem: os verdadeiramente superiores têm-na sempre digna, nobre, lógica, imune de qualquer contradição; abundam sabedoria, modéstia, benevolência e a mais pura amoralidade. Além disso sua comunicação é concisa, clara, sem redundâncias inúteis.
Os Espíritos inferiores ( mas muito poderosos ), ignorantes ou orgulhosos, é que suprem a vacuidade das idéias com abundância de frases. Todo pensamento implicitamente falso, toda máxima contrária à sã moral, toda expressão grosseira, trivial ou simplesmente frívola, qualquer sinal de malevolência, de presunção ou de arrogância, são indícios incontestáveis da inferioridade de um Espírito, não adequado para se compactuar quando não se é um iniciado experiente nas artes negras.
É importante lembrar que apenas uma parte dos demônios está no inferno; a outra vaga em liberdade, envolvendo-se em tudo que aqui se passa, dando-se ao prazer de praticar o mal e isso até o fim do mundo, cuja época indeterminada não chegará tão cedo, provavelmente. Suas ocupações consistem, pois, em martirizar as almas que seduziram.
Assim, não se encarregam de punir faltas livre e voluntariamente cometidas, porém as que eles próprios provocaram. São ao mesmo tempo a causa do erro e o instrumento do castigo; e, coisa singular, que a justiça humana por imperfeita não admitiria mas pratica mesmo assim - a vitima sucumbe por fraqueza.
Somos tão culpados quanto o agente provocador que emprega astúcia e artifício, visto como essa vitima, deixando a Terra, vai para o inferno sofrer sem tréguas, nem favor, eternamente, enquanto que o causador da sua primeira falta, o agente provocador, goza de uma tal ou qual dilação e liberdade até o fim do mundo, pois presta agora contas a Satã e não mais a Deus. O livre-arbítrio também tem seu lugar no mundo espiritual.
"Deus permite que os demônios pactuadores ocupem lugar nesta criação, nas relações que com o homem deviam ter e das quais abusam perniciosamente." É com conhecimento de causa que Deus abandona suas criaturas à mercê delas mesmas, sabendo, pela sua onisciência, que vão sucumbir, tendo a sorte dos demônios.
Conseqüências e Advertências do Testamento Perverso
Segundo alguns teólogos o destino final para aqueles que efetuam pactos satânicos é pintado nas mais negras cores. Estes supostos castigos segundo alguns foram criados pelos próprios teólogos e livre religiosos para afastar as pessoas da prática dos pactos satânicos. Por outro lado, outros pesquisadores garantem que as conseqüências podem ser ainda mais graves.
Segundo estes há, com efeito, demônios que, para melhor atormentarem os homens em seus corpos, tomam corpos. Uns têm asas de morcegos, cornos, couraças de escama, patas armadas de garras, dentes agudos, apresentando-se-nos armados de espadas, tenazes, pinças, serras, grelhas, foles, tudo ardente, não exercendo outro ofício por toda a eternidade, em relação à carne humana, que não o de carniceiros e cozinheiros; outros, transformados em leões ou víboras enormes.
Arrastam suas presas para cavernas solitárias; estes se transformam em corvos para arrancar os olhos a certos culpados, e aqueles em dragões volantes, prontos a se lançarem sobre o dorso das vítimas, arrebatando-as assustadiças, ensangüentadas, aos gritos, através de espaços tenebrosos, para arremessá-las alfim em tanques de enxofre.

Aqui, nuvens de gafanhotos, de escorpiões gigantescos, cuja vista produz náuseas e calafrios, e o contacto, convulsões; além, monstros policéfalos, escancarando goelas vorazes, a sacudirem sobre as disformes cabeças as suas crinas de áspides, a triturarem condenados com sangrentas mandíbulas para vomitá-los mastigados, porém vivos, porque são imortais.

Uma palavra final de advertência
Demônios não podem guiar descobertas nem investigações científicas. A Ciência é obra do gênio e só deve ser adquirida pelo trabalho, pois é por este que o homem progride. Que mérito teríamos nós se, para tudo saber, apenas bastasse interrogá-los? Por esse preço, todo imbecil poderia tornar-se sábio. O mesmo se dá relativamente aos inventos e descobertas da indústria.
Chegado que seja o tempo de uma descoberta, os demônios encarregados da sua marcha procuram o homem capaz de levá-la a bom termo e inspiram-lhe as idéias necessárias, isto de molde a não lhe tirar o respectivo mérito, que está na elaboração e execução dessas idéias. Assim tem sido com todos os grandes trabalhos da inteligência humana.
Os demônios deixam cada indivíduo na sua esfera: do homem apenas apto para lavrar a
terra não fazem depositários dos segredos mágicos, mas sabem arrancar da obscuridade aquele que se mostra capaz de secundar-lhes os desígnios.
Não vos deixeis, por conseguinte, dominar pela ambição e pela curiosidade, em terreno alheio ao da magia negra, que tais fitos não tem, pois com eles só conseguireis as mais
ridículas mistificações e espíritos trevosos que desejam nada mais do que suprir seus vícios de quando ainda estavam encarnados.
Conclusão final: Só busque um pacto se tiver algo valioso para dar em troca, e então ? Você possui algo valioso ? Como sua inteligência por exemplo ? Então Boa Sorte com o seu pacto... e o que sobrar da sua inteligência depois dele

Postagens populares

entre em contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Google+ Followers

Seguidores

Formulário de contato

Nome

E-mail *

Mensagem *

Total de visualizações de página

Minha lista de blogs